DOENÇAS QUE AFETAM A FERTILIDADE FEMININA

Hidrossalpinge

Caracterizada pelo acúmulo de líquido no interior de uma ou de ambas as tubas uterinas devido a um processo inflamatório, a Hidrossalpinge pode ser causada por bactérias como Chlamydia trachomatis e Neisseria gonorrhoeae, que são sexualmente transmissívei e se propagam de forma ascendente no trato genital feminino (da vagina em direção ao colo do útero, útero e trompas), e em casos mais graves podem levar ao acúmulo de pus no interior das tubas (piossalpinge).

Hematossalpinge

Pode ainda ser causada por Endometriose, cirurgias prévias que evoluíram com aderências no pós-operatório, e tuberculose pélvica.

médica e paciente de mãos dadas

Diagnóstico

A Hidrossalpinge pode ser diagnosticada através de ultrassom transvaginal, histerossalpingografia e ressonância magnética, que são exames que evidenciam líquido no interior das tubas ou mesmo durante uma cirurgia videolaparoscópica que a paciente esteja realizando por outro motivo.

Sintomas

Pelo risco de obstruir (entupir) as tubas uterinas, a Hidrossalpinge pode trazer dificuldades para engravidar. Tanto pelo fato mecânico (obstrução) quanto pelo fator funcional, pois dificulta os movimentos das tubas uterinas responsáveis por captar o óvulo, proporcionar o encontro entre óvulo e espermatozoide e levar o embrião formado na trompa para o útero.

Além disso, a Hidrossalpinge pode diminuir as chances de gravidez devido a menor implantação do embrião no útero e maior risco de aborto.

O acúmulo de líquido no interior das tubas pode aumentar fatores inflamatórios no endométrio (camada que reveste o útero por dentro), ocasionando um ambiente desfavorável à implantação do embrião, aumentando a chance de gestação ectópica (gestação fora do útero) e abortamento. Por isso, mesmo para pacientes que farão FIV (fertilização in vitro), muitas vezes se indica a retirada das tubas (salpingectomia) antes do procedimento de transferência do embrião para o útero.

Pode ocorrer ainda o acúmulo de líquido, pus ou sangue de tal forma que a tuba se torça levando a um quadro de abdome agudo (dor abdominal de forte intensidade). Embora seja um evento raro, a cirurgia de urgência pode ser necessária, nesse caso.

Além do que foi citado anteriormente, é comum que as pacientes observem:

  • Sangramento fora do período menstrual;
  • Dor nas relações sexuais;
  • Dor abdominal;
  • Corrimento vaginal com cor e consistência alterados.

Tratamento

O tratamento da Hidrossalpinge varia de acordo com a gravidade da doença e com o perfil de cada paciente. Normalmente, recomenda-se o uso de medicações ou procedimento cirúrgico para desobstrução das tubas uterinas.

Os tratamentos de reprodução assistida podem ser indicados para pacientes com ovulação normal.

As tubas uterinas são responsáveis por promover o encontro entre o óvulo e o espermatozoide. O acúmulo de líquido causado pela Hidrossalpinge pode obstruir as tubas uterinas, impedindo que a fecundação aconteça e, por isso, é muito comum que as portadoras da doença tenham a infertilidade como principal sintoma.