DOENÇAS QUE AFETAM A FERTILIDADE MASCULINA

Azoospermia

Uma das doenças mais preocupantes que causa a infertilidade masculina é a Azoospermia, que atinge cerca de 2% da população masculina em geral e se manifesta com a ausência de espermatozoides no sêmen.

Produzidos nos testículos, os espermatozoides são armazenados no epidídimo e, quando o homem é estimulado sexualmente, percorrem o ducto deferente, passando pela próstata até a uretra e são ejaculados no sêmen - líquido que carrega os espermatozoides e os mantêm vivos até o encontro com o óvulo.

Consulta médica

Diagnóstico

O diagnóstico da Azoospermia é realizado através de uma análise individualizada sobre o histórico do paciente (vasectomia ou criptorquidia), análise seminal através de espermograma e dosagens hormonais.

A ultrassonografia transretal e escrotal, biópsia testicular e análise genética também são indicadas para alguns casos, permitindo a identificação do tipo de Azoospermia que está afetando o paciente.

Confira a seguir quais são os tipos de Azoospermia existentes e seus devidos tratamentos.

Azoospermia Obstrutiva

As causas obstrutivas são aquelas que alteram o transporte dos espermatozoides, como o caso de pacientes que realizaram a vasectomia ou que não possuem os ductos deferentes, que são os canais de transporte dos espermatozoides a partir dos testículos. Existem também alguns casos de pacientes com alterações na ejaculação, podendo ser uma redução ou impedimento da chegada do sêmen ao meio externo.

O diagnóstico da Azoospermia Obstrutiva se dá após uma análise realizada por urologista, através do histórico clínico, exame físico, análise seminal e dosagens hormonais.

Tratamento

De forma geral, a Azoospermia Obstrutiva é tratável. Quando causada pela vasectomia, pode-se realizar a reversão por microcirurgia. Nos demais casos, é possível tratar com técnicas de reprodução assistida, através da obtenção de espermatozoides por aspiração percutânea do epidídimo (PESA), aspiração microcirúrgica de espermatozoides do epidídimo (MESA) ou ainda aspiração percutânea de espermatozoides do testículo (TESA).

Dr.João Paulo

Azoospermia Não Obstrutiva

Caracterizada pela deficiência na produção de espermatozoides pelos testículos, as principais causas da Azoospermia Não Obstrutiva são as alterações hormonais, falência ou trauma testicular, condições genéticas, Varicocele, criptorquidia ou até mesmo uso abusivo de substâncias como álcool, cigarro, drogas e anabolizantes. Embora a Azoospermia Não Obstrutiva seja caracterizada pela ausência de espermatozoides no sêmen ejaculado, existe ainda uma produção mínima de espermatozoides.

O diagnóstico deste tipo de Azoospermia é realizado quase da mesma forma da Obstrutiva, considerando a história clínica, exame físico, análise seminal e dosagens hormonais. Porém, neste caso, também é recomendado realizar o cariótipo com pesquisas de banda G e a pesquisa de microdeleção do cromossomo Y. Em casos específicos, pode-se recorrer a exames como ultrassonografia e biópsia testicular.

Tratamento

O tratamento da Azoospermia Não Obstrutiva, pode ser feito através de medicações, tratamentos hormonais, cirurgias reconstrutoras ou a captação de espermatozoides diretamente dos testículos, através da extração espermática testicular (TESE ou Micro-TESE).

Caso não sejam encontrados espermatozoides dentro dos testículos do paciente, o tratamento indicado é o uso de sêmen doador. A melhor opção de tratamento varia de acordo com o perfil e histórico do paciente, o que deve ser analisado pelo profissional de reprodução assistida.