TRATAMENTOS PARA INFERTILIDADE

Abortos de Repetição
e Falha de Implantação

O aborto de repetição é uma situação onde a ocorre o episódio de 2 ou mais perdas gestacionais antes de 20 semanas de gravidez.

Essa condição acomete 5% dos casais que estão tentando engravidar, gerando muitas dúvidas nos pacientes e demandando uma investigação minuciosa para descobrir a causa e como evitar que o aborto aconteça novamente.

Sabemos que a idade da mulher esta diretamente relacionada a fertilidade e, por isso, as alterações cromossômicas embrionárias, geralmente relacionadas a idade, estão entre as principais causas de aborto.
Diversos fatores podem estar relacionados aos Abortos de Repetição, porém, existem 5 causas que são consideradas mais comuns e sua investigação é obrigatória quando a condição é identificada. Essas causas são:

  • Fatores Uterinos;
  • Fatores Genéticos;
  • Fatores Imunológicos;
  • Trombofilias
  • Fator Hormonal.

As anomalias genéticas ou cromossômicas podem ainda estar relacionadas a problemas na fertilização natural ou no processo de divisão celular embrionária.
As aneuploidias estão relacionadas em até 80-90% dos casos de abortamentos espontâneos que ocorrem em gestações com menos de 10 semanas.

Consulta médica

Coincidentemente, essas 5 causas também podem ser responsáveis pela Falha de Implantação na Fertilização In Vitro (FIV) - ocorrência em que um embrião saudável, ao ser transferido para o útero que também está saudável, não resulta em um teste de gravidez (beta-HCG) positivo.

A seguir, confira mais detalhes sobre as causas que podem levar à Falha de Implantação e aos Abortos de Repetição.

Fatores Uterinos

Os fatores uterinos causadores dos Abortos de Repetição e da Falha de Implantação podem ser as alterações anatômicas do órgão como, por exemplo, presença de sinéquias, miomas, pólipos, septo dentro da cavidade uterina ou, ainda, alterações endometriais relacionadas a fatores inflamatórios. A investigação do fator uterino deve ser realizada detalhadamente para que, se existente, seja tratada e a paciente possa ter uma gestação natural em um futuro próximo.

Os fatores uterinos podem ser descobertos através de três principais exames. São eles:

  • Ultrassom 3D;
  • Ressonância magnética;
  • Histeroscopia diagnóstica.

Fatores Genéticos

Considerada a principal causa relacionada aos Abortos de Repetição e à Falha de Implantação, pode ser descoberta através de uma investigação genética do casal.
Grande parte desses fatores genéticos está relacionada à idade do casal ou a alguma mutação genética que eles possuem e, por isso, pode ser recomendada a realização de um estudo pré-implantacional do embrião, onde acontece uma biópsia embrionária que permite a seleção dos embriões saudáveis para transferência ao útero da mulher.

Clique aqui para saber mais sobre o diagnóstico pré-implantacional do embrião.

Fatores Imunológicos

São considerados fatores imunológicos situações em que as células de defesa da mulher podem agir contra a implantação adequada dos embriões.

Esta condição pode ser diagnosticada previamente através de alguns testes de anticorpos e há pesquisas sobre teste de compatibilidade entre os parceiros, porém, tais testes são experimentais, e ainda não existe um embasamento científico adequado para uso na prática clínica.

Trombofilias

As trombofilias são condições que aumentam o risco de trombose, atrapalhando no processo de implantação, de desenvolvimento placentário e seguimento da gestação. As trombofilias podem ser congênitas (desde o nascimento da mulher) e as adquiridas ao longo da vida.

Algumas trombofilias congênitas são: Antitrombina III, Mutação do Fator V e Mutação da Protrombina e as adquiridas, que surgem ao longo da vida como a Anticardiolipina e Anticoagulante Lúpico (Síndrome Antifosfolípide).

O tratamento recomendado para as trombofilias é a utilização de anticoagulantes - uma forma de diminuir o risco do abortamento e de outras condições obstétricas.

Fator Hormonal

Algumas condições hormonais podem interferir no desenvolvimento inicial da gestação, e o diagnóstico e tratamento irão variar de acordo com a condição específica. São elas:

  • Disfunções da tireóide;
  • Alterações do hormônio prolactina;
  • Diabetes;
  • Alteração do colesterol e triglicerídeos;
  • Sobrepeso.

Por se tratarem de fatores biológicos, os sintomas de todos os fatores podem variar de pessoa para pessoa. Por isso, é muito importante que ao enfrentar uma perda gestacional, o casal procure um profissional especializado em reprodução para que investigue as possíveis causas e recomende o tratamento ideal para a situação em específico.

Diagnóstico

Normalmente, após perdas gestacionais, alguns exames são solicitados pelo médico para investigar a possível causa dos abortamentos. São eles:

  • Cariótipo do casal para avaliação de possíveis alterações cromossômicas;
  • Exames hormonais para avaliar alterações que possam atrapalhar a evolução da gravidez;
  • Testes de anticorpos envolvidos com abortamentos;
  • Testes para avaliação das trombofilias adquiridas e hereditárias;
  • Ultrassonografia transvaginal e ressonância magnética para avaliação de malformações estruturais uterinas;
  • Espermograma e fragmentação de DNA seminal para o homem.

Tratamento

O tratamento varia de acordo com a causa do abortamento ou da Falha de Implantação. Por exemplo, no caso de trombofilias, podem ser administrados anticoagulantes durante a concepção e gravidez. Já no caso de alterações uterinas, muitas vezes a paciente deve recorrer ao tratamento cirúrgico.

Em boa parte dos casos de Abortos de Repetição, recomenda-se a realização de Fertilização In Vitro (FIV) com biópsia embrionária, para avaliação da viabilidade genética do embrião. Porém, é importante que o melhor tratamento seja indicado pelo profissional de reprodução assistida após análise de exames e histórico de saúde do casal.

Dr. Vanessa Crunfli